sexta-feira, julho 21, 2006

Energia eólica na frente

Nos últimos anos a energia eólica tem vindo a ser a única energia renovável com um real desenvolvimento em Portugal.

Nos últimos 4 anos, passamos de 175 MW de potência instalada (em 2002) para 1.151 MW (em Março de 2006), o que representa actualmente 711 geradores, distribuídos por 112 parques eólicos.

Não admira por isso, bem perto de Lisboa, na zona Oeste, as turbinas eólicas saltam logo à vista, até do mais distraído.

Esta proliferação, que apesar de tudo já está atrasada, deve-se no essencial às perspectivas económico-financeiras que representam a conjugação de vários factores macroeconómicos: por um lado o preço do petróleo não dá sinais de descida, pelo contrário, assiste-se novamente a uma escalada do preço do ouro negro, e por outro lado, o valor de remuneração do Kilowatt de energia eléctrica produzida nos parque eólicos, estabelecido com a finalidade de atingir os 39% de energia eléctrica com fonte nas renováveis, favorece o retorno do investimento, VAL, TIR's e outros indicadores.

Noutra vertente técnica, as turbinas eólicas são cada vez são maiores, mais eficientes e mais baratas.

Assim a energia eólica afigura-se como a primeira energia renovável competitiva face a outras fontes convencionais de produção de energia, não obstante com alguns inconvenientes, como a irregularidade na produção, a localização de locais com bons recursos de vento em locais protegidos, etc..

De facto a energia eólica não é a panaceia para todos os problemas da actual necesidade energética nacional. Esta fonte de energia, actualmente apenas representa cerca de 20% da energia eléctrica produzida, e relembrando que o consumo eléctrico nacional (energia final) é cerca de 20%, fazendo contas, na globalidade a energia eólica apenas aporta cerca de 4% para os consumos de energia final. Mesmo no melhor dos cenários em que são instalados cerca de 5.000 MW eólicos até 2010, a energia eólica nunca ultrapassará os 15% da energia final necessária. Isto sem ter em conta o crescimento dos consumos.

Na realidade a energia eólica não é a solução única, faz sim parte de uma solução composta que começa por gastar menos (eficiência energética) e produzir 'melhor', com recursos a fontes diversificadas: eólica, biomassa, solar, gás natural, hídrica, etc., assim como investir em novas formas de mobilidade: o automóvel de motor de combustão já tem cerca de 100 anos, já é hora de 'produzir' novas soluções, mais baratas e realmente eficientes energeticamente!

42 comentários:

Anónimo disse...

"o automóvel de motor de combustão já tem cerca de 100 anos, já é hora de ?produzir? novas soluções, mais baratas e realmente eficientes energeticamente!"

Mas para quando um carro 100% limpo,100 anos é muito tempo???

Anónimo disse...

A energia eólica teve o desenvolvimento que teve unica e exclusivamente porque a tarifa aprovada em Janeiro de 2002 por Socrates e seus associados (Pina Moura, Braga da Cruz, etc.) permite nalguns casos atingir TIRs de 40%

Anónimo disse...

Boas

Em relação à ultima parte do texto original "carros mais eficientes e mais limpos", gostaria apenas de referir que esse tipo de veículos é bem mais antigo que os veículos motorizados com motor de combustão. Se ainda andamos "montados" em carros com rendimentos de cerca de 7 ou 8%, a culpa não é nossa, mas sim de quem nós não controlamos, ou seja, os senhores do petróleo.

Porque, verdade seja dita, meuas amigos, a ideia de um veículo eléctrico, por exemplo, não é nova, nem existe agora porque é politicamente correcto. Existe à mais de 100 anos e foi abandonada, infelizmente, porque desde cedo se aperceberam que era um tipo de veículo que não interessava, pois a manutenção era pouca e o consumo era muito baixo.

Anónimo disse...

"pois a manutenção era pouca e o consumo era muito baixo."

Um bocado idealista demais. Não podes esquecer o grande problema dos carros electricos. Aonde armazenar/extrair a energia ?

Em pouco menos de 4 litros de gasolina há mais ou menos 120 MJ de energia. Não existe nenhuma forma de bateria que consiga ter uma densidade energética aproximada. É mais aí que reside o problema.

Anónimo disse...

Boas (mais uma vez)

Bem, de facto, e caso ainda não estejas a par das mais recentes tecnologias, a moderna bateria com eléctrodos de alumínio é uma das grandes apostas para o novo tipo de armazenamento de energia no futuro. Existe até uma empresa portuguesa (quem diria) que está a preparar tudo para que essa nova bateria seja produzida em série já a partir do próximo ano. Para que tenhas uma ideia é uma bateria com uma densidade de corrente tão elevada que é necessário uma bateria de chumbo com mais de 30kg para fazer frente a uma bateria de alumínio com apenas 1kg!!!

Espectáculo!!

PS: caso te digam que tal bateria é impossível de realizar devido ao rápido consumo dos eléctrodos, a dita empresa portuguesa já resolveu o problema de uma forma extraordinária.

Abraço

Qualquer duvida podes contactar para o seguinte endereço de e-mail: lrmonteiro@alunos.isel.ipl.pt

Anónimo disse...

"a moderna bateria com eléctrodos de alumínio é uma das grandes apostas para o novo tipo de armazenamento de energia no futuro"

Pois, é no futuro... O meu comentário foi mais em resposta ao utilizador anterior. Que parecia desconhecer um dos grandes problemas dos carros electricos.


"Para que tenhas uma ideia é uma bateria com uma densidade de corrente tão elevada que é necessário uma bateria de chumbo com mais de 30kg para fazer frente a uma bateria de alumínio com apenas 1kg!!!"

Parece ser interessante, mas... tenho que ser um pouco chato... as baterias de chumbo nunca foram grande espingarda a comparação n é lá mt boa. Podes dar valores mais concretos ?

Anónimo disse...

Boas

De facto o utilizador anterior era eu igualmente (lol) mas tudo bem.

Em relação a dizer valores em concreto, é com muito gosto que te direi assim que um colega meu me passar esse tipo de informação.

Embora ainda não tenha referido, não sou completamente leigo na área do veículo eléctrico, uma vez que sou estudante na área da engenharia electrotécnica no isel, daí o endereço de mail.

Em todo o caso, posso-te adiantar que estou a desenvolver em conjunto com outro colega um "projecto" muito arcaico de carro eléctrico e posso-te adiantar que com baterias de chumbo que encontrámos na sucata!!! o carro consegue fazer cerca de 15Km.

Mas se quiseres podemos fazer troca de informações através do endereço de mail que referi no ultimo texto.

Xicote disse...

Um tema tão vasto e foram afunilar numa discução esteril sobre baterias?!!
Bem o que tenho a dizer sobre as renováveis é que nós continuamos a seguir as modas. Senão vejamos, começámos a instalar parques eólicos importados. Agora começamos a ver a construção de fabricas para produzir turninas eólicas para Portugal e exportação. Claro que só vão exportar para locais onde os custos de transporte compensarem depois instalam-se nesses mercados e fecham as fábricas de hoje. É uma linha paralela com a indústria automóvel nacional.
Claro que a tecnologia é desenvolvida não em Portugal e os processos de fabrico já vêm definidos. Logo tanto a engenharia do produto como do processo não é Portuguesa.
Sobretudo nos sites sobre energia eólica (não Portugueses claro) a tónica é colocada no facto de a indústria das renováveis desenvolver o país, criar emprego ao mesmo tempo se promove a autonomia energética do país.

Daqui a 5 anos ou 10 anos qual é a energia que vai estar na moda?
Solar térmica? fotovoltaica? carvão com captuta de CO2? biodiesel? células de hidrogénio? ...

Será que existe alguma universidade envolvida na investigação que é feita nas outras renováveis? será que existe algum empresário empenhado em industrializar ideis nossas?
Ah já sei falta o subsidiozinho ...

Anónimo disse...

Esteril é a cabeça de muitos portugueses e infelizmente mais não digo!

Anónimo disse...

Boas

Em relação às baterias de chumbo aqui vai o link com a informação que pediste. É uma empresa finlandesa Europopivron, tens lá a informação necessária a todas as comparações.

http://www.europositron.com/en/techniques.html

Abraço

Anónimo disse...

Apenas uma pequena correcção ao texto. Se forem ao site da DGGE, podem verificar num documento por eles publicado (com bastante regularidade) sobre as renováveis, que a eólica, neste momento, produz o equivalente anual a cerca de 5% do consumo de electricidade e não os referidos 20% (pelo que em termos de energia total o valor é de 1%). E normalmente, considera-se que no futuro, quando estiverem instalados cerca de 5000 MW (que não será concerteza em 2010...talvez 2012!) a produção será equivalente a 15% do consumo de electricidade (incluindo o crescimento que se verificar) e não da energia final. Cumprimentos

Anónimo disse...

Boas

Queria antes de mais referir que li no outro dia num site (infelizmente não me lembro do endereço) que "Álvaro Rodrigues, professor da Faculdade de Engenharia do Porto...", "Entre as vantagens...", "redução da dependência energética exterior" isto em relação à energia eólica.

Eu não sei de que é que esse senhor é professor mas de Redes de Energia Eléctrica não deve ser de certeza. Digo isto porque muitas vezes oiço as pessoas leigas na matéria dizerem coisas como "porque é que compramos tanta energia a Espanha?" ou ainda "ora vendemos ora compramos, vejam lá se se decidem...". Bom, a situação para quem não a conhece é a seguinte, a necessidade de estarmos interligados prende-se com vários factores, tanto económicos como estratégicos a nível energético. É favorável para nós estarmos interligados a Espanha, que por sua vez está interligada a França e por aí fora uma vez que a qualidade do serviço prestado aumenta à medida que aumenta a extenção de países interligados. É também vantajoso para nós, poruqe nomeadamente em barragens com aproveitamento eléctrico, a política é a de turbinar durante o dia, produzindo energia e bombear a água à noite para repor a montante a água turbinada durante o dia. Para bombear é necessário alimentar os alternadores e fazemo-lo com energia comprada a Espanha, que é mais barata à noite.

Espero que com este breve texto possam ficar esclarecidas as pessoas mais cépticas em relação a este assunto.

Obviamente que há muito mais a dizer em relação a este tema mas de momento não me pretendo alongar muito mais.

Em caso de qualquer dúvida não hesitem em colocar as vossas questões.

PER disse...

Relativamente ao texto de um "anónimo", que refere incorreção no valor da producção de energia, de facto o valor e de cerca de 5% do total de produção eléctrica (2005), e os 20% indicados, referen-se ao valor produzido da parcela FER (Fontes Energias Renováveis) durante 2005. Assim o cenário tende para 1% eólico do total necessário para satisfazer os consumos actuais!

Xicote disse...

Não vejo onde está o erro em dizer que a energia eólica diminui nossa dependência energética com o exterior.

Na realidade os parques eólicos também podem usar as hídricas para armazenar o excesso de energia.

Anónimo disse...

Bem, o erro está no facto de que à velocidade que o consumo energético cresce relativamente ao crescimento da produção de energia eólica, esta mal tapa o "buraco". E independentemente da quantidade de parques eólicos que tivermos a funcionar teremos sempre que comprar e vender energia a Espanha.

Já agora se puderes explica lá melhor a ideia de os parques eólicos poderem usar as hídricas para armazenar energia.

Obrigado

PER disse...

P/ xicote:

Não há erro em dizer que há redução da dependencia externa, a % é que é muito pequena: cerca de 1%. Por isso o eólico é benéfico, mas não podemos ficar por ai...

Xicote disse...

A maioria das fontes de energia renovável tem uma produção que depende das condições meio ambiente (sol, vento, ondas, ...) e não das necessidades energéticas do momento.
Num futuro possível mas pouco provável com uma percentagem elevada de fontes de energia renováveis o excesso de energia poderia ser recuperado pelas barragens bombeando água para a albufeira.

Sem dúvida devemos ao mesmo tempo aumentar a produção de energia mas também diminuir os desperdícios. Agora é necessário implementar a nova legistação de forma rápida e rigorosa.

Anónimo disse...

como se armazena a energia eolica?

Anónimo disse...

guarda-se o vento num frasquinho :)

As unicas energias renováveis que podem ser armazenadas (sem recurso a baterias claro) são as hidricas por lbufeira que permitem armazenar agua e turbinam (e bombam como foi explicado atraz) quando querem. a energia que será a base do abastecimento energético em portugal a medio longo prazo serão as centrais a gás de ciclo combinado. nao são uma solução permanente mas de transição.
uma central nuclear não e viável acima de tudo por questões tecnicas. uma delas, e talvez a principal é facilmente explicável: existe uma regra simples que diz que deve haver uma reserva de W(chamad girante) de tamanho igual à capacidade da maior central em funcionamento... isto para o caso de ela falhar claro... imaginem a o tamanho da reserva se tivermos uma nuclear... a compra e venda de energia funciona como um parceria de interajuda . obviamente que vender em horas de pico e comprar nas de vazio é melhor para os portugueses...

Anónimo disse...

Segundo a REN,no dia 21 de Setembro de 2006, pelas 4 horas da medrugada e pela primeira vez em Portugal, a produção de energia eólica ultrapassou 1 gigawatt. Acho que merece uma chamada de atenção.

Anónimo disse...

e em relação aos ganhos ecnómicos, ninguém se prouncia? essas empresas que detêm os mais de 100 parques eólicos de quem são? é possivel a um cidadão comum investir nessa tecnologia?

Anónimo disse...

É possível mas a burocracia necessária para desenvolver o projecto coloca qualquer comum mortal encostado a um canto.

Mas não é impossível.

Ricardo disse...

Eu já vi na televisão um sujeito electromecanico que tinha uma ventoinha no telhado a produzir energia, que carregava uma bateria de 12V e que por sua vez esta era transformada em 220v AC para iluminação. Qualquer pessoa podia fazer isso com um alternador de um carro, não?

Anónimo disse...

Boas

É possível sim senhor. Tenho por aqui algures um pdf que ensina a montar o nosso próprio aero-gerador com pás que têm cerca de 3 metros de diamêtro, o que já não é nada mau.

Se quiser posso mandar-lhe isso por mail.
Confirme se quiser para o mail lrmonteiro@alunos.isel.ipl.pt

PS: o documento é algo grande, pelo que aconselho a ter uma caixa de correio no gmail, por exemplo.

Abraço

Anónimo disse...

"o automóvel de motor de combustão já tem cerca de 100 anos, já é hora de ?produzir? novas soluções, mais baratas e realmente eficientes energeticamente!"

Mas para quando um carro 100% limpo,100 anos é muito tempo??? "

as soluções existem e são carros electricos.
Neste momento existe pessoas que tem carros electricos, existem fabricas , mas em Portugal ainda não há iniciativa de importar esse tipo de tecnologia
Só mais um dado interessante o pais da UE que tem mais veiculos electricos em circulação é oo Reino Unido com mais de 15000 veiculos, as soluções existem não há é vontade para os massificar, já que isso ameaça directamente 2 grandes industrias, as petroliferas e os fabricantes de automoveis, dado à baixa manutenção que este tipo de veiculo requere.

CMCM

Raquel disse...

Ola,

sou estudante e para um cadeira (grande parte do mestrado...) tenho que fazer um estudo de impacto ambiental em qualquer tema, inventado, relacionado com oceanos... Apesar de no momento nao me encontrar em Portugal pensei fazer algo relacionado com construcao de um parque eolico na nossa plataforma continental.. mas sinceremente nao estou mesmo nada dentro do assunto do que existe ou nao em portugal a este nivel... encontrei este blog e pareceu-me que alguns de voces esrao dentro do assunto.. sera que alguem me pode incicar onde posso saber mais sobre o assunto???
claro que vou pesquisando mas se poderem dar alguma informacao agradeco!
Raquel
(osp447@bangor.ac.uk)

Anónimo disse...

Boas
Gostaria de ser informado caso estejam dentro do assunto, de quais os procedimentos a efectuar, para poder concretizar a construção de um parque eolico num terreno que possuo no concelho do sabugal, junto á serra da malcata, ando de um lado para o outro e toda a gente me diz é dificil, será que é só para as grandes empresas , para poderem comprar ou alugarem os terrenos por tuta e meia? desde já obg

russo disse...

Aqui no Brasil, já usamos, energia solar a baixo custo, no site sociedade do sol, telhados verdes, que economizam no ar condicionado, captação de agua da chuva para lavagem de roupas, limpeza de casa, carro e rega de plantas. O GNV, apesar de ainda contribuir para o CO2, gera economia de 70% nos gastos permitindo investir em outras areas e tem abundancia aqui.O etanol apesar de economico e ecologicamente correto causa muito desgaste no motor enquando o GAS tem queima total e não polui como a gasolina. Porem a tecnologia do MOPV é bem mais limpa mas enquanto ele não chega o GAS GNV tem ajudado bastante. O maior problema do BRASIL tem sido os politicos e a impunidade, estes sim tem causado mal estar geral.

russo disse...

Aqui no Brasil, já usamos, energia solar a baixo custo, no site sociedade do sol, telhados verdes, que economizam no ar condicionado, captação de agua da chuva para lavagem de roupas, limpeza de casa, carro e rega de plantas. O GNV, apesar de ainda contribuir para o CO2, gera economia de 70% nos gastos permitindo investir em outras areas e tem abundancia aqui.O etanol apesar de economico e ecologicamente correto causa muito desgaste no motor enquando o GAS tem queima total e não polui como a gasolina. Porem a tecnologia do MOPV é bem mais limpa mas enquanto ele não chega o GAS GNV tem ajudado bastante. O maior problema do BRASIL tem sido os politicos e a impunidade, estes sim tem causado mal estar geral.

Anónimo disse...

sou aluna do secundário e gostaria de saber mais algumas informações sobre carros hibridos e energia eolica para dois trab. se tiverem alguma informação ou sites interesantes informem.m por favor... ana_gaby1_8@hotmail.com
obg.

Joana Rodrigues disse...

Chamo-me Joana Rodrigues, sou aluna do 3º ciclo(7º ano) da escola EB 2.3 Visconde Vila Maior em Torre de Moncorvo. A Educação Tecnológica estamos a fazer um trabalho sobre energias renováveis e não renováveis, e se fosse possível, gostaria que me enviassem mais material de trabalho sobre energia eólica. se tiverem mais informações, e se mas poderem fornecer sobre as energias Hidráulica, Biomassa, Geotérmica, Energia Nuclear(urâneo), Ondas e Mares, Petróleo, Energia Solar, Carvão Mineral e Gás natural, também me seria muito útil.

se não for incómudo, mandem-me o material de trabalho pelo mail: joanaflrodrigues@hotmail.com

ou então enviem-me pelo correio para a seguinte morada/destinatário:

Joana Rodrigues
Rua do Prado de Cima, nº1E
5160-231 Torre de Moncorvo

Aguardo informações!!
ORIGADA

Anónimo disse...

gostaria de saber qual a percentagem de energia eolica em portugal!

dianokax_11@hotmail.com

Anónimo disse...

olá boua tarde,
como está?
mas qe merda é esta pá?
vão cagar.....................
com os melhores cumprimentos:

sao tiago da cruz de lote 5 alameda poio caca mousse chocolate podre vá xau tou farta desta merdaaaaaaaaa


:) (na brinca,a ta mt la o site)

Anónimo disse...

O gerodor eolico é simples, fácil, extremamente silencioso, só precisa apenas de aperfeicoamento, só isso.
Lembram do 14-BIS do Santos Dumont? Todos fizeram varias criticas, que vai sair caro, complicado, etc. Vejam hoje quantos aviões circulam no céu??O problema do automóvel elétrico, é apenas bateria...o resto é conversa fiada.

blogasti disse...

Lamentavelmente, no país da burrocracia, impediu-se e impede-se que particulares nacionais tomem a iniciativa e se vejam impedidos de apresentar projectos viáveis para o aproveitamento de energia eólica e se dê a preferência a estrangeiros, sabe se lá a troco de quê!?! Por este andar, o país levanta vôo e é pena que só alguns tenham o luxo de umas quantas ventoínhas na conta e outros "xuxem" no dedo

Anónimo disse...

isto tudo e ridiculo. emitam a evrdade!

Anónimo disse...

Chamo-me Andreia Silva, sou aluna do 3º ciclo(8º ano.Em Educação Tecnológica estamos a fazer um trabalho sobre energias renováveis e não renováveis, e se fosse possível, gostaria que me enviassem mais material de trabalho sobre energia eólica. se tiverem mais informações, e se mas poderem fornecer sobre as energias Hidráulica, Biomassa, Geotérmica, Energia Nuclear(urâneo), Ondas e Mares, Petróleo, Energia Solar, Carvão Mineral e Gás natural, também me seria muito útil.

Se não for incómudo, mandem-me o material de trabalho pelo mail: andreitta.silva@gmail.com

Obrigado!

Amado Diniz disse...

Um abraço aos Portugueses que fizeram parte dos comentários sobre "fontes de energia reniváveis".
Amado Diniz - Brasil
email:baco@bacomusic.com.br

nnekko disse...

Prezados amigos,quero convida-los a formar parceria para o desenvolvimento e comercialização deste invento que será formidavel novidade na energia eólica.
Pode ser visto em “aeroking.com.br”.
Se for do vosso interesse, estou receptivo à qualquer proposta que nos leve a realizar esta idéia.
Obrigado pela atenção,
Nelson Koury

Anónimo disse...

Boa tarde

Alguém me sabe explicar o processo depois de a energia ser recolhida nos parques eólicos em Portugal?onde é armazenada como é distribuida etc...
Obrigada

Strong disse...

Boa tarde, tenho uma duvida num teste que estou a realizar e se me pudessem ajudar agradecia. Será A-nunca B-sempre C-nem sempre rentável armazenar a energia. É esta a frase, qual acham que é a resposta mais correcta? cumprimentos

Anónimo disse...

Boa tarde, tenho uma duvida num teste que estou a realizar e se me pudessem ajudar agradecia. Será A-nunca B-sempre C-nem sempre rentável armazenar a energia. É esta a frase, qual acham que é a resposta mais correcta? cumprimentos, S. Forte